Sexta-feira, 20 de Março de 2009

Esta é pelo menos a conclusão do relatório anual de Sinistralidade Rodoviária que vai ser apresentado hoje: Em 2008, houve menos acidentes, menos mortos e menos feridos graves nas estradas portuguesas. A maior parte dos acidentes ocorreu dentro das localidades, onde o número de mortos aumentou 7,3 por cento face a 2007.

 

A maioria dos acidentes rodoviários registados no ano passado ocorreu dentro das localidades, tendo o número de mortos aumentado 7,3 por cento face a 2007 nestes acidentes, indica o relatório anual de sinistralidade rodoviária.

Segundo o documento, 71 por cento dos acidentes e 62 por cento dos feridos graves ocorreram dentro das localidades em 2008, enquanto o número de vítimas mortais foi superior fora das localidades (53 por cento).

 

No entanto, houve mais 25 mortos (7,3 por cento) em acidentes dentro das localidades relativamente a 2007.

No ano passado, os 33.613 acidentes nas estradas portuguesas provocaram 776 mortos, 2.606 feridos graves e 41.327 feridos ligeiros.

Em comparação com 2007, registaram-se menos 1.698 acidentes (-4,8 por cento), menos 82 mortos (-9,1 por cento), menos 529 feridos graves (-16,4 por cento) e menos 2.457 feridos ligeiros (-4,3 por cento).

O documento indica também que a colisão foi o tipo de acidente mais frequente, representando 52 por cento do total de acidentes e provocando 41 por cento dos mortos e 46 por cento dos feridos graves de 2008. Seguem-se os despistes e os atropelamentos.

O índice de gravidade dos acidentes, associado aos despistes, registou um ligeiro aumento no ano passado face a 2007.

Os atropelamentos, que representaram 16 por cento dos acidentes, 16 por cento dos mortos e 20 por cento dos feridos graves, provocaram 136 vítimas mortais, menos uma do que em 2007.

Segundo o relatório, 28 por cento das vítimas mortais no ano passado foram jovens entre os 20 e os 34 anos, apesar de ter havido uma redução relativamente ao ano anterior.

Em 2008 morreram 84 condutores com mais de 75 anos, representando 11 por cento do total dos mortos.

A maioria das vítimas da sinistralidade rodoviária (59 por cento) são condutores, seguindo-se os passageiros (29 por cento) e os peões (13 por cento).

Os acidentes com automóveis ligeiros foram os que provocaram um maior número de vítimas mortais (393), menos 39 do que em 2007, e os desastres com motas causaram 164, mais sete do que no ano anterior.

Lisboa foi o distrito com maior número de vítimas mortais (93), seguindo-se o Porto (84), Setúbal (77) e Aveiro (70).

Os menores índices de mortalidade rodoviária registaram-se nos distritos de Vila Real (11 mortos), Portalegre (12), Guarda e Bragança (16 cada um).

 
Fonte: JN
 



publicado por dina às 13:35 | link do post | comentar

Outubro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
26
27
28
29
30

31


links
posts recentes

Estatísticas: 'Jovens con...

"Introdução de portagens ...

Oito cêntimos o quilómetr...

Portajar: a palavra que o...

Português a 228 km/hora e...

Benefícios fiscais para a...

Carta de condução só depo...

Comissão de Utentes diz q...

Embrace Life - a diferenç...

Automobilistas holandeses...

arquivos
tags

comportamento português(159)

notícias(82)

acidentes(42)

a minha terra(39)

vídeos(18)

fotos(16)

estacionamentos(14)

homens ao volante(11)

atropelamento(9)

auto-estrada(9)

iniciativas(9)

vci(9)

gasolineiras(8)

operação stop(8)

gasolina(7)

mulheres ao volante(7)

portagens(7)

carjacking(6)

excesso de velocidade(6)

passadeiras(6)

todas as tags

comentários recentes
devia de aver ainda mais
Pois eu concordo quando dizem k isto anda perigoso...
Boas.Esse estacionamento deve-se ao facto de talve...
Acho bem, ou pagam todos ou não paga ninguém
Mas assim pagamos todos para que os que lá passam ...
Não existem passadeiras nas auto-estradas?!
Boas,Já deviam ter visto isto há muito tempo. É pr...
Ver este diverido artigo sobre a condução em Portu...
Basta às vezes repararmos um pouco, para nos aperc...
subscrever feeds
blogs SAPO
mais sobre mim